Economia Circular: o que é e quais seus benefícios?
October 22, 2020 5:49 PM
Segundo dados da ONU, são gerados mais de 2 bilhões de toneladas de resíduos a cada ano. O motivo para produzirmos tamanho volume se explica pelo modelo econômico atual baseado em “extrair, produzir, descartar”, conhecido como Economia Linear. Para mudar esse cenário, é necessária a transição para um sistema baseado na extensão máxima da vida dos produtos: a Economia Circular. Entenda melhor seu histórico, definição e benefícios!

Você já parou para pensar qual a quantidade de lixo gerado anualmente pela população mundial? Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) de 2018, 99% dos produtos comprados são descartados após 6 meses, gerando assim mais de 2 bilhões de toneladas de resíduos a cada ano. O motivo para produzirmos tamanho volume se explica pelo modelo econômico atual baseado em “extrair, produzir, descartar”, conhecido como Economia Linear


Diante do aquecimento global e da poluição ambiental contínua, diversos estudos, dentre eles "Quebrando a Onda de Plásticos", vêm apontando o esgotamento desse modelo econômico e alertando para a urgência em adotar uma nova postura. Dessa forma, é proposta a transição para um sistema baseado na extensão máxima da vida dos produtos  por meio de processos de reaproveitamento.


Surge então o conceito de Economia Circular, inspirado nos mecanismos naturais do ecossistema que gerenciam recursos de longo prazo em um processo contínuo de absorção e reciclagem. Esse novo modelo é a promessa de solução efetiva para as consequências da economia vigente e visa construir um mundo sustentável para a geração atual e futura. Entenda melhor seu histórico,  definição e benefícios!


A origem da Economia Circular

Estima-se que as ideias iniciais sobre circularidade tenham origens filosóficas e agregam uma série de importantes escolas de pensamento, incluindo a economia de performance de Walter Stahel; a filosofia de design do “berço ao berço” (em inglês cradle to cradle) de William McDonough e Michael Braungart; a ideia de biomimética estruturada por Janine Benyus; a ecologia industrial de Reid Lifset e Thomas Graedel; o capitalismo natural de Amory e Hunter Lovins e Paul Hawkens; e a abordagem da economia azul (em inglês blue economy) descrita por Gunter Pauli.


Contudo, o economista britânico Kenneth Boulding é apontado por alguns acadêmicos como o pai do termo. Em 1966, ao publicar o artigo “The economics of coming spaceship earth” (em potuguês “A economia da futura espaçonave Terra”), Boulding defendeu: “o Homem precisa encontrar o seu lugar em um sistema ecológico cíclico que seja capaz de reproduzir continuamente a forma material, embora não possa evitar aportes de energia”. Essa ideia, porém, também foi percebida - e difundida - por Ellen MacArthur, velejadora premiada mundialmente, quando ela deu a volta ao mundo.


Nessa viagem, Ellen percorreu mais de 50 mil quilômetros em 3 meses. A velejadora dispunha de poucos recursos e precisava economizá-los ao máximo para manter sua sobrevivência em alto mar.  Ela percebeu que teria maior chance de uma vida confortável ao estender a vida útil dos suprimentos enquanto velejava. Durante esse período, Ellen entendeu a importância da preservação e reaproveitamento dos recursos justamente por estes serem limitados.


Esse insight originou o instituto homônimo ao seu nome; Ellen MacArthur Foundation. A missão da fundação é acelerar a transição para uma economia circular e, para isso, trabalha com empresas, governos e academia para construir uma economia regenerativa e restauradora. Desde sua criação, a Fundação e Ellen tornaram-se expoentes na divulgação da Economia Circular e são aclamados por diversos especialistas e estudiosos sobre meio ambiente.


O conceito de Economia Circular

Economia Circular: o que é e quais seus benefícios?
Economia Circular: o que é e quais seus benefícios?


Como mencionamos, o modelo atual da economia linear segue o padrão “extrair-produzir-descartar”. Esse sistema se baseia na extração contínua dos recursos naturais e o descarte constante dos produtos após seu consumo. O crescimento econômico depende da exploração de matérias-primas finitas, o que traz risco iminente de esgotamento, além do volume exacerbado de resíduos descartados na natureza.


Em contrapartida, a economia circular, como o nome sugere, faz com que o sistema econômico funcione como um ciclo. A Ellen MacArthur Foundation define Economia Circular como uma alternativa atraente na busca para redefinir a ideia de desenvolvimento com foco em benefícios para toda a sociedade. A proposta envolve dissociar a atividade econômica do consumo de recursos limitados e, em princípio, eliminar o desperdício no sistema. 


Na prática o processo cíclico inicia no reaproveitamento de matéria para produção e depois segue a ordem de utilizar, reutilizar, refazer, e reciclar, voltando assim à etapa inicial da produção e fechando o ciclo - ao mesmo tempo que começa um novo.


Dessa forma, essa transição econômica representa uma mudança no sistema, estabelece resiliência de longo prazo, gera oportunidades de negócios e traz benefícios ambientais e sociais. Apoiado pela transição para fonte de energias e materiais renováveis, o modelo circular busca criar capital econômico natural e social ao garantir fluxos contínuos otimizados de materiais.


Os pilares da Economia Circular

Definições da Economia Circular l Fonte: Fundação Ellen MacArthur
Definições da Economia Circular l Fonte: Fundação Ellen MacArthur


De acordo com a Fundação, existem 3 princípios básicos que fundamentam os processos da economia circular:


Princípio 1: Preservar e aumentar o capital natural, controlando estoques finitos e equilibrando os fluxos de recursos renováveis.


A natureza é a sustentação de toda a vida humana. O termo "capital natural" reforça o entendimento da vida não-humana como responsável pelos recursos básicos da economia de produção


Em outras palavras, não são apenas as atividades humanas que produzem valor. A partir desse pensamento, percebe-se como a vida humana também é impactada pela destruição dos serviços ecossistêmicos.


Sendo assim, as atividades de produção humana dependem de capital natural. Logo, ao reaproveitar materiais, evitando uma nova retirada e conservando materiais para a produção por muito mais tempo, estamos aumentando o potencial de crescimento econômico sustentável.

Princípio 2: Otimizar a produção de recursos fazendo circular produtos, componentes e materiais no mais alto nível de utilidade o tempo todo, tanto no ciclo técnico quanto no biológico.


De acordo com a Fundação, esse princípio seria o sinônimo de remanufatura, renovação e reciclagem para componentes e materiais continuarem circulando e contribuindo com a economia. O funcionamento prático deste princípio acontece através de ciclos biológicos ou ciclos técnicos.

Ciclos Biológicos

Em ciclos biológicos, a reintegração segura de nutrientes biológicos na biosfera ocorre através da decomposição, a fim de transformá-los em valiosas matérias-primas para um novo ciclo. Os materiais são biodegradáveis ou obtidos a partir de matéria vegetal e retornam ao sistema por meio de processos como compostagem e digestão anaeróbica


Dessa forma, no ciclo biológico, o processo natural da vida irá regenerar o material, com ou sem  intervenção humana. Esses ciclos regeneram sistemas vivos fornecedores de recursos renováveis à economia. 


Ciclos Técnicos

Nos ciclos técnicos, desde que haja energia suficiente, a intervenção do homem irá restaurar e recuperar produtos, componentes e materiais por meio de estratégias como reutilização, reparo, remanufatura ou (como último recurso) reciclagem. Essa ordem prioritária de reaproveitamento é escolhida pois menores circuitos internos (ex: reutilização, em vez de reciclagem)  envolvem menos gasto energético.


Dessa forma, são preservados energia e outros tipos de valores inseridos nos materiais e componentes, como a mão de obra envolvida na produção. Esses sistemas também podem maximizar o número de ciclos dos produtos, prolongando sua vida útil e intensificando sua reutilização.


A tecnologia digital também tem o poder de apoiar a transição para uma economia circular por meio do aumento significativo da virtualização, desmaterialização, transparência e inteligência orientada por feedback.


Princípio 3: Fomentar a eficácia do sistema revelando as externalidades negativas e excluindo-as dos projetos.


Para a Fundação, “isso inclui a redução de danos a produtos e serviços de que os seres humanos precisam, como alimentos, mobilidade, habitação, educação, saúde e entretenimento, e a gestão de externalidades, como uso da terra, ar, água e poluição sonora, liberação de substâncias tóxicas e mudança climática.”


Neste ponto, o foco é a obtenção de bons resultados na gestão de recursos como solo, ar e água, extraindo os riscos de poluição ambiental e sonora e aumentando os esforços para manter o círculo sempre contínuo.


A Economia promissora

Economia circular pode representar crescimento econômico, segundo a União Europeia.
Economia circular pode representar crescimento econômico, segundo a União Europeia.


Em análise feita pela União Europeia (UE) em 2015, investir em Economia Circular representa, até 2030, o crescimento de 7% do produto interno bruto (PIB) da economia europeia, redução do consumo de matérias-primas em 10% e diminuição das emissões anuais de CO2 em 17%


No mesmo ano, a Ellen MacArthur Foundation, a SUN e a McKinsey notaram que, adotando princípios da economia circular, a Europa pode aproveitar a iminente revolução tecnológica para gerar um benefício líquido de 1,8 trilhão de euros. Para determinados bens de consumo (alimentos, bebidas, têxteis e embalagens), é estimado o potencial global de US$ 700 bilhões por ano em economia de recursos, equivalente a 20% dos custos de insumos nesses setores.


Ainda na Europa, o plano de ação chamado “Closing the Loop - An Action Plan for the Circular Economy” (em português Fechando o Ciclo - Um Plano de Ação para a Economia Circular”) foi instituído em 2015 e foram concedidos mais de 650 milhões de euros em crédito para financiar projetos inovadores nesse segmento. 


Esse movimento, porém, não é exclusivamente europeu. Na China a promoção da economia circular vem sendo incorporada nos planos governamentais há ainda mais tempo, desde o início dos anos 2000. Em 2009, o governo chinês deu novos importantes avanços a partir da Lei de Promoção da Economia Circular, baseada no uso eficiente dos recursos a partir de incentivos fiscais, apoio financeiro e regulações.


Aqui no Brasil, indicadores como o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), criado para nortear fundos de investimentos da B3, tem buscado identificar empresas alinhadas às práticas de sustentabilidade. Esse tipo de indicador destaca as empresas mais sustentáveis do mercado, favorecendo e atraindo investimentos em seus modelos de negócio. Além disso, esse destaque facilita a busca por crédito em instituições financeiras, uma vez que estas perceberam a importância e segurança na contribuição com o meio ambiente. Podemos observar essa movimentação através da recém lançada agenda de sustentabilidade ambiental do Banco Central


No último dia 8 de Setembro (2020) o tópico sustentabilidade foi inserido na agenda institucional do Banco, incluindo ações desde campanhas internas de conscientização ambiental à meta do aumento em 20% da linha de crédito para produtores rurais alinhados às características sustentáveis. Entusiasmado com a nova agenda, Roberto Campos, presidente do Banco Central, comentou: “Na dimensão sustentabilidade, vamos tratar da questão ambiental do ponto de vista financeiro. Vamos falar de promoção de finanças sustentáveis, gerenciamento adequado dos riscos socioambientais e climáticos, integração de variáveis sustentáveis e outros elementos que afetam a tomada de decisões pelo BC".


Dessa forma, podemos ver um movimento global rumo à esse novo modelo econômico. Número atuais reforçam essa ideia: segundo estudo recente feito pela Fundação, agora em 2020, foi apontado o crescimento de fundos de crédito privado com foco na economia circular. Criado por instituições como BlackRock, Credit Suisse, Goldman Sachs e RobecoSAM, dentre outras, esse aumento representa mais do dobro de investimento desde 2018 e atinge mais de 30 produtos como fundos de capital de risco, capital privado e dívida privada. Além dos grandes investimentos, a prática circular já apresenta resultados importantes: 13% do faturamento da Philips foi oriundo de soluções circulares em 2019, por exemplo.


Além das vantagens financeiras

As vantagens desse modelo, porém, vão muito além das financeiras.! Os benefícios da transição para a nova economia podem englobar aspectos ambientais - como vimos na própria conceituação do sistema


A logística reversa pós-consumo, ferramenta da economia circular, é uma ótima opção para a redução da poluição e seus respectivos impactos na saúde humana e no meio ambiente. Ela representa um estímulo à reciclagem, redução na exploração da matéria-prima virgem e diminuição na emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE), catalisadores do desequilíbrio climático.


Além das vantagens ambientais, esse sistema traz vantagens sociais. A logística reversa pós-consumo contribui na profissionalização, promove aumento de renda e impacta nas melhores condições de vida e trabalho dos catadores de materiais recicláveis


Setores privado e público trabalhando em conjunto

O tema Economia Circular tem aparecido em escala global e está relacionado à sustentabilidade do desenvolvimento econômico e social. Os consumidores e as organizações já perceberam que adotar esse sistema não é mais uma questão de possibilidade, mas sim de necessidade. Todavia, é preciso um conjunto de competências político-econômicas nas esferas pública e privada para tratar de tais questões.


No esfera pública brasileira, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) se mostra capaz de trazer progressos rumo à circularidade no país. A PNRS determina como um dos princípios a responsabilidade compartilhada e estabelece os sistemas de Logística Reversa como instrumentos de sua implementação, os quais atuam sobre o ciclo de vida de produtos, capazes de prolongá-los e fechá-los, reduzindo a quantidade de resíduos descartados


A lei de 2010 estabelece um novo marco regulatório da gestão de resíduos no país ao reunir um conjunto de princípios, objetivos, ferramentas e diretrizes para a administração integrada e ambientalmente correta de resíduos sólidos. Nos últimos 10 anos, empresas vêm buscando se enquadrar na nova dinâmica e para isso desenvolvem ações voltadas para a economia circular.


Exemplos a serem seguidos

Como exemplo de iniciativas privadas podemos citar a companhia Coca-Cola, parceira da Fundação Ellen MacArthur, que estabeleceu um acordo com a empresa Verallia para efetuar o derretimento das garrafas de vidro na celebração de seu centenário. Essa colaboração resultou em 100% de reaproveitamento do material recolhido, transformado-o em matéria prima para a produção de novas embalagens


Outra parceira da Fundação, a Unilever, assumiu em 2017 o arrojado compromisso de reduzir 100 mil toneladas de plástico virgem ao ter 100% de suas embalagens plásticas reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis até o ano 2025. Outro compromisso assumido foi acelerar a utilização de plástico de reciclável ao empregar 25% do material na composição de novas embalagens. Um ano após o lançamento dessa campanha, a Unilever convocou outras empresas da indústria de bens de consumo a se alinharem às práticas circulares e acelerar o processo de transição da economia. O objetivo era circularizar por completo a vida útil do plástico de forma a combater as assustadoras previsões da época.


Como as previsões não melhoraram e os estudos seguem alertando constantemente para um futuro preocupante devido à atual economia linear, só nos resta mudar. Segundo a Fundação Ellen MacArthur, essa transição econômica é o ponto chave para revertermos os impactos causados pela ação humana e se faz extremamente necessária para a construção de um mundo mais justo e sustentável.



Se você leu até aqui é porque se preocupa com a manutenção do meio ambiente e busca entender melhor sobre soluções para os impactos causados pelo homem. Caso queira aprofundar seus conhecimentos sobre a Economia Circular no país, assista de forma gratuita às gravações dos debates sobre os "10 anos de PNRS e Logística Reversa: como está a transição para a Economia Circular?.”.

10 anos de PNRS e Logística Reversa: como está a transição para a economia circular?


Referência

Ellen MacArthur Foundation - Economia circular

Ideia Circular - O Que É Economia Circular?


ONU - Humanidade produz mais de 2 bilhões de toneladas de lixo por ano, diz ONU em dia mundial


Money Times - Economia circular: por que importa? E onde nos levará?


Época - ECONOMIA CIRCULAR TRANSFORMA O MUNDO DOS NEGÓCIO


Medium - Economia Circular e seus princípios


INBEC - Economia Circular: novo sistema que pode atender às nossas necessidades dentro dos limites planetários


Senado Federal - Rumo aos 4 bilhões de toneladas por ano


CNN - Políticas públicas e financiamento são essenciais para avanço da economia circular no Brasil


Revista Meio Ambiente Industrial - Economia Circular: uma alternativa à obsoleta economia linear


Exame - Financiamento para economia circular dispara no mundo, diz estudo


Unilever - Unilever convoca empresas para acelerar a transição na economia circular


Grupo Fragmaq - Confira 3 exemplos de economia circular


Ellen MacArthur Foundation - Financiamento da economia circular Aproveitando a oportunidade

Fale Com a Polen

-->