Demanda por logística reversa de embalagens cresce no Rio Grande do Sul
Apesar da logística reversa ainda não ter sido regulamentada em âmbito estadual no Rio Grande do Sul, cresce o interesse de empresas pela destinação correta de resíduos sólidos. Conheça a história da Reciclar, empresa de reciclagem parceira da Polen que viu sua operação expandir devido a demanda por esse tipo de serviço do estado.

Desde 2010, empresas que disponibilizam embalagens no mercado têm a obrigação de neutralizar parte do impacto que elas causam no meio ambiente, segundo o que determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A grande questão é que apesar da existência da lei, a obrigatoriedade da logística reversa de embalagens em geral só está regulamentada em alguns estados da Federação. A tendência é que a aderência de outros estados aconteça gradualmente, como no caso recente do Estado do Paraná, que já sancionou a lei que garante a implantação do Plano Estadual de Resíduos Sólidos, onde está contemplada a logística reversa de embalagens. 


Hoje, trouxemos um exemplo de como a logística reversa de embalagens já é uma realidade no Rio Grande do Sul,  apesar de ainda não ter sido regulamentada em âmbito estadual.  A Reciclar, um dos operadores parceiros da Polen,  atua no mercado gaúcho há 29 anos e tem visto a demanda pela logística reversa de embalagens  crescer entre os clientes.  


Fundada em 1992, pelo senhor Paulo Scherer, a Reciclar é uma empresa especializada em reciclagem de resíduos sólidos localizada na cidade de  Nova Hartz, interior do Rio Grande do Sul. Seu Paulo teve uma ideia inovadora à época, uma vez que pouco se falava em reciclagem como um tipo de negócio quando decidiu investir na empresa, a Reciclar foi pioneira no município .


O negócio familiar deu certo e já passou para as mãos da próxima geração dos Scherer. Apesar de ainda trabalhar na empresa, Seu Paulo passou o bastão para a filha Marina Scherer, que hoje gerencia o negócio em parceria com o esposo Clóvis Reis. A Reciclar trabalha com diferentes materiais, o  papelão e principalmente o plástico são os resíduos mais processados na empresa. Vale lembrar, que no Brasil, segundo dados do Banco Mundial, o índice de reaproveitamento do plástico é de apenas 1,3%,  bem abaixo da média global que é de 9%. 


“No Rio Grande do Sul, temos uma demanda cada vez maior pelo serviço de reciclagem. Tem crescido a procura por parte de empresas interessadas em reciclar”, afirma Marina, sócia-diretora da Reciclar. A empresária conta que frequentemente recebe propostas de parcerias de diferentes tipos de estabelecimentos, como supermercados, shoppings e escolas, interessados em desenvolver projetos que beneficiem o meio ambiente e a sociedade por meio da reciclagem. 


Segundo a empresária, mesmo não havendo ainda uma legislação específica estadual sobre a logística reversa de embalagens a demanda de empresas preocupadas com as questões ambientais é grande e o empreendimento familiar viu o número de clientes dar um salto nos últimos anos.  Marina nos contou que a Reciclar processa em torno de 900 toneladas mês de material reciclado. “Certamente se houvesse uma legislação específica no Rio Grande do Sul, teríamos uma demanda maior ainda, porque hoje quem tem essa conscientização são as empresas que já tem a sustentabilidade como princípio e se preocupam com a destinação correta dos seus resíduos, mas sabemos que muitas outras não têm essa preocupação”, afirma Marina. Para a empresária, infelizmente, um número grande de empresas só acaba se preocupando com a logística reversa de embalagens quando há uma fiscalização que obriga o cumprimento da lei. Marina acredita que a regulamentação e fiscalização em âmbito estadual seria uma forma não só de garantir o cumprimento da lei,  mas também uma maneira de conscientizar mais pessoas sobre a importância da destinação correta dos resíduos sólidos.


Projeto Eco Pila promove a conscientização ambiental


Há cerca de um mês a Reciclar replicou um projeto ambiental já experimentado em outros municípios gaúchos. Em parceria com a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Nova Hartz , a empresa trouxe para a cidade a Eco Pila, uma moeda sustentável que pode ser usada no comércio local. 


Uma vez ao mês, a Reciclar recebe os resíduos que as pessoas têm em casa em um ponto de coleta na praça da cidade. Ao entregar o seu lixo reciclável, a pessoa recebe em troca um valor equivalente ao peso em Eco Pilas. Cada Eco pila equivale a 1 real e pode ser utilizada nos estabelecimentos credenciados pela CDL. Após receber a moeda sustentável como pagamento, basta o comerciante trocar as Eco Pilas recebidas na sede da Reciclar por dinheiro, não ha perda de receita na transação. Segundo a Marina, a ideia do projeto é promover a conscientização ambiental da população e levar a mensagem que reciclar é fácil e necessário. “Queremos levar a reciclagem pra dentro das casas, não queremos que seja apenas algo imposto por uma legislação”, afirma Marina. 

Coleta Eco Pila em  Nova Hartz


A Reciclar passou a entregar o hall de parceiros da Polen no início de 2021, para nós é um enorme prazer contar com a parceria de um operador tão engajado com as questões ambientais. Marina destaca que a parceria com a Polen tem sido muito boa para a empresa: “ A Polen nos trouxe ganhos que nós não tínhamos antes e que tem nos ajudado a crescer”, afirma a empresária. Para Marina Scherer, o processo de compensação da logística reversa operado pela Polen é seguro e transparente, importante por trazer segurança para o operador. Além disso, “a rastreabilidade garantida pelo sistema de vocês é realmente bem segura”, conclui a empresária. 


Faça como a Reciclar, venha ser um parceiro da Polen! Para se tornar um operador parceiro basta passar pelo nosso processo de homologação e sua empresa terá a chance de receber renda extra pelo trabalho de coleta, triagem e comercialização de resíduos que já realiza. Saiba mais AQUI.

Autora: Daniella Barbosa


Demanda por logística reversa de embalagens cresce no Rio Grande do Sul
July 21, 2021 10:47 PM
Apesar da logística reversa ainda não ter sido regulamentada em âmbito estadual no Rio Grande do Sul, cresce o interesse de empresas pela destinação correta de resíduos sólidos. Conheça a história da Reciclar, empresa de reciclagem parceira da Polen que viu sua operação expandir devido a demanda por esse tipo de serviço do estado.

Desde 2010, empresas que disponibilizam embalagens no mercado têm a obrigação de neutralizar parte do impacto que elas causam no meio ambiente, segundo o que determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A grande questão é que apesar da existência da lei, a obrigatoriedade da logística reversa de embalagens em geral só está regulamentada em alguns estados da Federação. A tendência é que a aderência de outros estados aconteça gradualmente, como no caso recente do Estado do Paraná, que já sancionou a lei que garante a implantação do Plano Estadual de Resíduos Sólidos, onde está contemplada a logística reversa de embalagens. 


Hoje, trouxemos um exemplo de como a logística reversa de embalagens já é uma realidade no Rio Grande do Sul,  apesar de ainda não ter sido regulamentada em âmbito estadual.  A Reciclar, um dos operadores parceiros da Polen,  atua no mercado gaúcho há 29 anos e tem visto a demanda pela logística reversa de embalagens  crescer entre os clientes.  


Fundada em 1992, pelo senhor Paulo Scherer, a Reciclar é uma empresa especializada em reciclagem de resíduos sólidos localizada na cidade de  Nova Hartz, interior do Rio Grande do Sul. Seu Paulo teve uma ideia inovadora à época, uma vez que pouco se falava em reciclagem como um tipo de negócio quando decidiu investir na empresa, a Reciclar foi pioneira no município .


O negócio familiar deu certo e já passou para as mãos da próxima geração dos Scherer. Apesar de ainda trabalhar na empresa, Seu Paulo passou o bastão para a filha Marina Scherer, que hoje gerencia o negócio em parceria com o esposo Clóvis Reis. A Reciclar trabalha com diferentes materiais, o  papelão e principalmente o plástico são os resíduos mais processados na empresa. Vale lembrar, que no Brasil, segundo dados do Banco Mundial, o índice de reaproveitamento do plástico é de apenas 1,3%,  bem abaixo da média global que é de 9%. 


“No Rio Grande do Sul, temos uma demanda cada vez maior pelo serviço de reciclagem. Tem crescido a procura por parte de empresas interessadas em reciclar”, afirma Marina, sócia-diretora da Reciclar. A empresária conta que frequentemente recebe propostas de parcerias de diferentes tipos de estabelecimentos, como supermercados, shoppings e escolas, interessados em desenvolver projetos que beneficiem o meio ambiente e a sociedade por meio da reciclagem. 


Segundo a empresária, mesmo não havendo ainda uma legislação específica estadual sobre a logística reversa de embalagens a demanda de empresas preocupadas com as questões ambientais é grande e o empreendimento familiar viu o número de clientes dar um salto nos últimos anos.  Marina nos contou que a Reciclar processa em torno de 900 toneladas mês de material reciclado. “Certamente se houvesse uma legislação específica no Rio Grande do Sul, teríamos uma demanda maior ainda, porque hoje quem tem essa conscientização são as empresas que já tem a sustentabilidade como princípio e se preocupam com a destinação correta dos seus resíduos, mas sabemos que muitas outras não têm essa preocupação”, afirma Marina. Para a empresária, infelizmente, um número grande de empresas só acaba se preocupando com a logística reversa de embalagens quando há uma fiscalização que obriga o cumprimento da lei. Marina acredita que a regulamentação e fiscalização em âmbito estadual seria uma forma não só de garantir o cumprimento da lei,  mas também uma maneira de conscientizar mais pessoas sobre a importância da destinação correta dos resíduos sólidos.


Projeto Eco Pila promove a conscientização ambiental


Há cerca de um mês a Reciclar replicou um projeto ambiental já experimentado em outros municípios gaúchos. Em parceria com a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Nova Hartz , a empresa trouxe para a cidade a Eco Pila, uma moeda sustentável que pode ser usada no comércio local. 


Uma vez ao mês, a Reciclar recebe os resíduos que as pessoas têm em casa em um ponto de coleta na praça da cidade. Ao entregar o seu lixo reciclável, a pessoa recebe em troca um valor equivalente ao peso em Eco Pilas. Cada Eco pila equivale a 1 real e pode ser utilizada nos estabelecimentos credenciados pela CDL. Após receber a moeda sustentável como pagamento, basta o comerciante trocar as Eco Pilas recebidas na sede da Reciclar por dinheiro, não ha perda de receita na transação. Segundo a Marina, a ideia do projeto é promover a conscientização ambiental da população e levar a mensagem que reciclar é fácil e necessário. “Queremos levar a reciclagem pra dentro das casas, não queremos que seja apenas algo imposto por uma legislação”, afirma Marina. 

Coleta Eco Pila em  Nova Hartz


A Reciclar passou a entregar o hall de parceiros da Polen no início de 2021, para nós é um enorme prazer contar com a parceria de um operador tão engajado com as questões ambientais. Marina destaca que a parceria com a Polen tem sido muito boa para a empresa: “ A Polen nos trouxe ganhos que nós não tínhamos antes e que tem nos ajudado a crescer”, afirma a empresária. Para Marina Scherer, o processo de compensação da logística reversa operado pela Polen é seguro e transparente, importante por trazer segurança para o operador. Além disso, “a rastreabilidade garantida pelo sistema de vocês é realmente bem segura”, conclui a empresária. 


Faça como a Reciclar, venha ser um parceiro da Polen! Para se tornar um operador parceiro basta passar pelo nosso processo de homologação e sua empresa terá a chance de receber renda extra pelo trabalho de coleta, triagem e comercialização de resíduos que já realiza. Saiba mais AQUI.

Autora: Daniella Barbosa


Fale Com a Polen