Coronavírus e Reciclagem: como sua empresa pode ajudar cooperativas na quarentena
July 24, 2020 9:17 PM
Os efeitos da pandemia do COVID-19, o novo Coronavírus, estão sendo sentidos por todos e se espalham pelos mais diversos setores produtivos da nossa economia, inclusive na reciclagem. Neste texto você entenderá como o setor está sendo impactado e, enquanto empresa, como pode continuar incentivando o trabalho das cooperativas na quarentena. Esta cadeia precisa do seu apoio agora.

Os efeitos da pandemia do COVID-19, o novo Coronavírus, estão sendo sentidos por todos e se espalham pelos mais diversos setores produtivos da nossa economia, inclusive na reciclagem.  Neste texto você entenderá como o setor está sendo impactado e, enquanto empresa, como pode continuar incentivando o trabalho das cooperativas na quarentena. Esta cadeia precisa do seu apoio agora.

Os efeitos do coronavírus no mercado da reciclagem

A instituição da quarentena obrigatória em algumas cidades brasileiras afetou fortemente os setores do varejo, bares e restaurantes. O impacto em empresas do mercado de aviação também é notório, seguido por todas as atividades relacionadas a transportes, mobilidade e turismo. A experiência internacional de países como China e Itália mostram que essa situação não mudará de uma hora para outra. Além desses setores, um outro mercado, já deixado à margem da sociedade no dia a dia, também está sendo fortemente impactado pelo coronavírus: a reciclagem e logística reversa

Vamos analisar, primeiramente, o lado da oferta. A geração de resíduos (recicláveis ou não) no mundo de hoje ainda é dada como uma função do consumo da população, que por sua vez tem relação direta com a atividade econômica de um país ou região. Em períodos de maior crescimento econômico, o consumo das famílias aumenta e isso eleva também os níveis de geração de resíduos.

Logo, ao pensarmos o período em que a humanidade enfrenta o novo coronavírus como um período onde as economias desaceleram globalmente, a geração de resíduos acompanharia este movimento e seria, também, reduzida. 

Porém, outros fatores como o redirecionamento da indústria de restaurantes para operações de delivery e retirada faz com que a quantidade de embalagens chegando às casas da população em quarentena aumente significativamente, como ressaltado em matéria do jornal Folha de São Paulo.

Além disso, o consumo doméstico de produtos embalados (bebidas, alimentos, domissanitários, higiene pessoal...) sente menos o baque pois supermercados continuam abertos e a demanda por estes produtos é menos sensível aos efeitos do isolamento. 

Do lado da demanda, outros fatores influenciam os preços e os mercados para os materiais recicláveis. Com a desaceleração de setores da indústria, seja pela ausência da demanda do consumidor ou por medidas de combate ao vírus, a procura por matéria-prima está diminuindo  e levando junto os preços dos materiais. Além disso, disrupções logísticas como o fechamento de fronteiras interestaduais abalaram ainda mais a constância de uma cadeia de suprimentos que já sofre com grandes desafios relacionados a este aspecto. 

Um terceiro fator e talvez um dos mais críticos e sintomáticos no âmbito do mercado global de reciclagem e que, como muitas outras coisas, se materializa ainda mais grave no caso brasileiro é a resiliência do caixa das empresas participantes das cadeias de reciclagem. Principalmente no setor de plásticos, extremamente pulverizado e composto por empresas de menor porte, é possível que parte das máquinas parem e não voltem devido à quebra de empresas que não possuam reservas para atravessar o período de baixa atividade.

Para as cooperativas de catadores de materiais recicláveis a situação é ainda mais grave.  A redução do preço numa atividade de margens notoriamente baixas pode fazer com que a coleta e triagem de alguns tipos de materiais parem de ser feitas devido à ausência de viabilidade econômica, podendo resultar no fechamento dessas empresas Conversando com nossas cooperativas parceiras, percebemos que grande parte não está operando.

Como apoiar cooperativas na quarentena


Parte das cooperativas parceiras da Polen não estão operando e precisam de renda alternativa
Parte das cooperativas parceiras da Polen não estão operando e precisam encontrar uma renda alternativa

Sabendo que os preços dos materiais recicláveis estão caindo, as cooperativas precisam buscar novas fontes de receita. É aqui que entra o papel crucial de instrumentos como os Créditos de Logística Reversa

Os Créditos de Logística Reversa são baseados em notas fiscais da venda de materiais recicláveis para indústrias recicladoras. Essas notas são fornecidas por operadores de logística reversa (como cooperativas de catadores) à certificadoras de logística reversa independentes - como a Polen -, que as agrupam e sistematizam. Cada nota revela o tipo do resíduo e a quantidade reciclada, podendo ser adquirida por empresas que precisam cumprir com a lei de logística reversa de embalagens pós-consumo (como fabricantes ou importadores de produtos embalados) como comprovação legal de seu incentivo à reciclagem

Criado para essas empresas cumprirem com suas obrigações em relação à logística reversa de embalagens com maior eficiência e ao mesmo tempo agregar valor às atividades de recuperação, coleta e triagem de resíduos pós-consumo, este instrumento figura como a melhor alternativa para a sobrevivência dos elos mais frágeis das cadeias de reciclagem em momentos como o atual.

A receita adicional obtida através da comercialização dos créditos pode ser imperativa para as cooperativas em três frentes diferentes:


  • Manutenção das margens em momentos onde o preço do material se reduz.


  • Viabilização da coleta, triagem e comercialização de outros tipos de materiais pós consumo.


  • Obtenção de capital de giro para atravessar um período de pouca ou nenhuma atividade através da monetização do passivo de notas fiscais emitidas em anos anteriores. 


Ao comercializar, além do material reciclável, os Créditos de Logística Reversa gerados agora ou os referentes à operações passadas, os operadores de logística reversa, as cooperativas e as empresas de gestão de resíduo podem conseguir o fôlego necessário para atravessar o período de crise. 

Empresas fabricantes, comerciantes ou importadoras de embalagens ou produtos embalados, ao realizar a logística reversa através dos Créditos neste cenário, não  estão apenas cumprindo a legislação e contribuindo com a saúde do planeta. Estão dando ferramentas para que a cadeia da reciclagem e principalmente seus elos mais frágeis consigam resistir a este momento e continuar fazendo este trabalho tão importante de coleta e reintrodução dos resíduos em processos produtivos. 

Você pode adquirir os Créditos online através da Plataforma de Créditos de Logística Reversa da Polen. No site o processo de aquisição das notas e a remuneração das cooperativas parceiras é realizado de forma totalmente digital, o que o torna seguro para o momento atual.

Se você é um operador de logística reversa e quer saber mais sobre como transformar suas notas fiscais em Créditos e gerar uma nova fonte de renda, ou se você é uma empresa fabricante de produtos embalados e quer apoiar as cooperativas enquanto cumpre a legislação, entre em contato por qualquer um dos canais:


- E-mail: contato@brpolen.com.br;


- Ligação ou WhatsApp: (21) 99102-2763;


- Formulário “Fale Com a Polen” no final deste texto.


Entendeu como sua empresa pode contribuir para a cadeia da reciclagem em meio à crise do coronavírus? Ajude as cooperativas comprando os Créditos de Logística Reversa e compartilhe este texto nas mídias sociais para alcançar ainda mais pessoas. 


Seguimos juntos!

10 anos de PNRS e Logística Reversa: como está a transição para a economia circular?


Fale Com a Polen